Víspera de Corpus : la tarde de la "Vaca das Cordas", en Ponte de Lima

Jaime Martínez Amante nos recomienda para esta tarde, a los que tengamos oportunidad de acercarnos, una visita a Ponte de Lima y allí tomar posiciones de observación privilegiadas, sobre el puente legendario en el río Lima, por donde pasa el Camino de Santiago... Y es que esta tarde, como todas las vísperas del día del Corpus Christi, la llamada "Vaca das cordas" se hace presente en el arenal, al lado del rio, en Ponte de Lima...

HOJE EM PONTE DE LIMA.
VACA DAS CORDAS 2024 - 29 de MAIO.
A véspera do Corpo de Deus é celebrada, em Ponte de Lima, com a corrida da Vaca das Cordas, numa ação coordenada pela Associação dos Amigos da Vaca das Cordas, com o apoio do Município de Ponte de Lima.
Este ano o exemplar a ser "corrido" e que já se encontra na Casa de Nª Senhora da Aurora, á Rua do Arrabalde de S. João de Fóra, foi adquirido nos campos de Montemor-o-Novo.
Trata-se de uma das mais antigas tradições limianas, que atrai à Vila de Ponte de Lima milhares de forasteiros de todos os pontos do país, e até da vizinha Espanha, que invadem o Centro Histórico e o areal do rio Lima para participarem nesta festividade, que mostra a alma e a tradição do povo limiano.
Luís Dantas, no seu livro "A Vaca das Cordas em Ponte de Lima" editado em 2006, refere que o documento mais antigo que regista o sentido que os nossos antepassados atribuíram à corrida da Vaca das Cordas parece ser o Código de Posturas Municipais de 1646. Porém, de acordo com a Ata de 11 de Julho de 1604 do Livro das Vereações (de 1602 a 1605), conservada no Arquivo Municipal de Ponte de Lima, recentemente divulgada na obra “P’ra Que Viva Ponte de Lima! Terra de Tradições”, de Amândio de Sousa Vieira, editada em 2017 pelo Município de Ponte de Lima, esta tradição já existia naquele ano de 1604.
Ainda segundo Luís Dantas, em Ponte de Lima pode dar-se o caso de não se ter distinguido vacas de touros, nem as índoles das corridas de praça e a das cordas, sendo possível fixar a tradição da Vaca das Cordas muito antes do século XVI.
Seja como for, umas vezes com vacas, outras com touros, como acontece atualmente, esta tradição secular manteve ao longo dos tempos a designação de Vaca das Cordas, assumida pela linguagem popular e presente na memória coletiva, sendo única e distintiva a nível nacional.
A corrida começa na rua do Arrabalde, ao fim da tarde da véspera do Corpo de Deus, seguindo em direção ao Largo da Matriz, onde o touro é preso ao gradeamento de ferro da janela da Torre dos Sinos para o tradicional “banho” de vinho tinto, lançado sobre os cornos e o lombo do animal, cumprindo-se também a tradição de dar três voltas rituais à Igreja Matriz. A “corrida” prossegue pelas ruas do Centro Histórico, até ao areal, onde milhares de pessoas tentam “fintar” o animal ou simplesmente assistir a este espetáculo popular.
Atualmente, esta tradição cumpre-se em Ponte de Lima num jogo de respeito. Homens e touro envolvem-se num diálogo de força e coragem, de desafio e de fuga, de dor e sofrimento mútuo.
Na procura das origens e sentidos da Vaca das Cordas, alguns autores, como Miguel Roque dos Reys Lemos, vão buscar a sua simbologia aos rituais egípcios, enquanto outros, como Luís Dantas, vão buscá-la aos romanos, com os seus cultos dionisíacos, os préstitos a Baco, a adoração a Ceres.
Durante a noite, a animação dos bares é o foco de atenção dos mais novos, que se divertem ao som da música, fazendo deste momento um elemento indissociável da tradicional comemoração da Vaca das Cordas.
A tradição cumpre-se ainda, durante a noite, com a confecção dos tapetes de flores nas ruas do Centro Histórico de Ponte de Lima para a procissão do Corpo de Deus. As ruas cobrem-se de tapetes floridos que refletem o empenho e a devoção dos moradores que, movidos pela fé, trabalham incansavelmente toda a noite, enchendo de cor e formosura as ruas que formam o itinerário da procissão.
Bibliografia : Ponte de Lima Cultural
Fotos : Amândio de Sousa Vieira / Ponte de Lima Cultural / Joaquim Rios
Artículo Anterior Artículo Siguiente