El compositor Jaime Martínez Amante y su homenaje -en verso- a los toreros de Leiria

¡Cómo pasa el Tiempo!. Parece que aún era ayer cuando el bueno de Jaime M. Amante andaba metido en mil cosas, mil ocupaciones : hasta la de componer letras para fados... claro que, fados taurinos, faltaría más. Hablando con Jaime, el tiempo se pasa volando, tal es la cantidad de historias estupendas que este gran amigo y admirado taurino atesora...

UM POEMA QUE ANDAVA PERDIDO, PARA UM FADO
Em 1995 escrevi este poema simples para a musica do fado Rosita.
Uma homenagem aos toureiros de Leiria, daquele tempo.
Depois chegou o Miguel Duarte. O Marco José, já por aqui andava
(e bem) mas é nascido nas Caldas da Rainha.
Confesso que quando o escrevi não o guardei.
Não o tinha e hoje o João Zuquete fez-me chegar
esta "relíquia". Muito obrigado João.
TOUREIROS DE LEIRIA
De Leiria eu vou contar,
Para manter a tradição.
Que a arte de tourear,
Têm aqui sua paixão.
P’los Ataydes, começo,
Qual flor a desabrochar.
Por este jardim vos peço,
Momentos para recordar.
Mais tarde, chegou o Zé,
Dos Zuquetes, a dinastia.
Com carinho, amor e fé,
Toureiro grande seria.
Pela sua mão chegou,
Chico Alcaide, outro toureiro.
Que bem cedo triunfou.
Por este país inteiro.
Esta história não têm fim,
E mantendo a tradição.
Dos Zuquetes, o benjamim,
Na ribalta, o João.
Desta terra, os toureiros,
Que vos fiquem na memória.
Heróis, audazes cavaleiros,
Artistas da nossa história.
Jaime Martinez Amante
Leiria, Outubro de 1995
Artículo Anterior Artículo Siguiente