"A caminho de Montemor", nuevos versos de Manuel Peralta Godinho e Cunha

Decididamente, nuestro siempre admirado Manuel Peralta Godinho y Cunha, un taurino de inmejorable condición, nos ha devenido en poeta. Verso a verso, va plasmando -con notable frecuencia- sus sentimientos, al calor de la actualidad también, como es el caso del próximo septiembre y la tradicional cita taurina de cada año en Montemor (Alentejo)...

A caminho de Montemor
Calor de Setembro, sol de abrasar sem ponta de vento
Praça de Toiros, pequena, aconchegada e bem cuidada
Povo nas imediações, muita gente aguardando o momento
Cavalos de toureio, lindos, enfeitados e bem entrançados
Com lindas fitas de seda e arreios de veludo bordados
Já preparadas e bem alinhadas as farpas na trincheira
Muito taurinas, de cores garridas com tons brilhantes.
Está a chegar a banda da música com sons sonantes
Ouvem-se ao longe numa capela uns toques de sinos
Gente de outras paragens vai chegando e os campinos
Bem trajados os dois, calções azuis e coletes encarnados
Três cavaleiros vestidos a rigor e com garbo montados
Murmúrio e olhares com a chegada dos amadores
Forcados de Montemor e lindas jaquetas com flores
Meias de renda e cinta apertada por cima do calção.
Vento ligeiro se levanta, pouco para o calor de verão.
Acordes do Hino da Maria da Fonte entoam na praça
Música que já foi de revolta, exalta a força da nação
Música vibrante de um Hino nosso, da nossa raça
O público levanta-se, aplaude com respeito e emoção
Começam as cortesias, abertas as portas da verdade
Que a sorte seja repartida. A Festa Brava é liberdade!
Manuel Peralta Godinho e Cunha
Agosto de 2022
Artículo Anterior Artículo Siguiente