Homenagem sincera e grande lembrança a Fernando Dias (q.e.p.d.), o verdadeiro pioneiro da informação tauromáquica portuguesa na Internet

Así era, cuando vivía Fernando Dias, la plaza de Viana do Castelo, aniquilada luego por la inquina antitaurina de quien ocupando la presidencia de la Câmara Municipal impuso sus gustos personales

Ya ha llovido. En julio de 2001, con la anuencia de nuestro gran amigo -y maestro- Fernando Dias, dimos  el paso -con la importantísima, directa e imprescindible colaboración de nuestro otro gran amigo Jaime Martínez Amante- que supuso la creación de "Naturales" (subtitulado "Boletim Taurino editado em Pontevedra, Leiria e Lisboa"). Hasta entonces, habíamos hecho camino desde tiempo atrás, años anteriores, de la mano de Fernando Dias, que entonces editaba en la rudimentaria pero muy eficaz Internet de entonces, con notable éxito y enorme esfuerzo, una web taurina llamada "Tauromaquia Portuguesa On Line"...

Aquella "Tauromaquia Portuguesa On Line" fue el primero -e importante- site taurino -y de caballos- que en la Net portuguesa se hizo notar. Cuando a el llegamos, Fernando Dias, su director y editor ya llevaba tiempo haciendo una gran labor de divulgación de la Tauromaquia por tan moderno método como era la red de redes de entonces...

Fue para nosotros, aquella convivencia con Fernando Dias, un tiempo apasionante. Desde el primer día, Fernando acogió nuestra presencia con singular afecto que no escondía para nada en el modo como trataba las informaciones y artículos que aportábamos a su TPOL -así abreviaba el aquello de "Tauromaquia Portuguesa On Line"- que tenía como dirección en Internet la de www.gabicontoria.pt



Diversos logos utilizados en el site de Fernando Dias
en sus últimos tiempos...

Todo marchaba viento en popa, con el paso del tiempo, de los meses, cada vez más gente se introducía en Internet y comenzaba a seguir la actualidad taurina a través de la TPOL de Fernando Dias. De modo que "Tauromaquia Portuguesa On Line" era cada vez más popular.

En el último fin de semana del mes de julio del 2000, todos los colaboradores de "Tauromaquia Portuguesa On Line" y su editor, Fernando Dias, nos reunimos en una especie de humilde convención, en Viana do Castelo, aprovechando -además- que allí se celebraba una corrida de toros. Cambiamos impresiones y formulamos las mejores intenciones para el futuro de la pionera web taurina portuguesa, analizamos nuevas ideas a poner en práctica, convenimos cómo había de ser el tiempo futuro y... dimos por concluido aquel encuentro en el Hotel do Parque yendo luego todos juntos a ver la corrida de toros en la plaza de Viana do Castelo, el domingo 30 de julio del año 2000. Una corrida que resultó de lo más entretenida, donde tanto el cavaleiro Marco José como el matador Rui Bento Vasquez estuvieron a gran altura, a lo que colaboraron cuatro de los seis toros de la Sociedade Agricola de Santo Estévão. Tanto Rui Bento como Marco José tuvieron el gesto de brindar una de sus faenas a Fernando Dias y a todo su equipo de colaboradores.

Folleto de mano de aquella corrida de julio de 2000.


Reclamo de divulgación publicado en "Tauromaquia Portuguesa On Line"

Sin embargo, cuando llegó el invierno siguiente a aquel verano del año 2.000, nubarrones comenzaron a situarse en el horizonte de la "Tauromaquia Portuguesa On Line". La obra, gran obra de Fernando Dias, el site taurino que tanto nos apasionaba a sus colaboradores, comenzó a tambalearse poco a poco, a medida que el año 2001 avanzaba. La razón no era otra que la delicada salud del editor-fundador. Achaques múltiples y problemas de enfermedad que frenaban a Fernando Dias, que de actualizar a diario aquella apasionante web, pasó a hacerlo dos o tres veces por semana...

Para aquel entonces, entre Fernando y quien esto escribe, habíamos recopilado más de 700 direcciones de correo electrónico de gentes relacionadas con el sector taurino portugués... Llegado el mes de julio de 2001 sostuve una conversación con Fernando Dias, pidiéndole autorización para completar su "Tauromaquia Portuguesa On Line" con el envío, dos o tres veces por semana, de un "Boletim Taurino" al que llamaríamos "Naturales" y que por correo electrónico llegaría cada semana a no ya 700 sino más tarde más de un millar de destinatarios del mundo del Toro de Portugal (sobre todo) y España.

A Fernando le faltó tiempo para animarme a hacer posible "Naturales". Más aún cuando le dije que no me faltaría la ayuda inmediata e inestimable de Jaime Martínez Amante. Fernando Dias era consciente de que su enfermedad -grave- obligaba a descanso y ausencia plena de preocupaciones-ocupaciones. Y que ese era el futuro que se avecinaba si quería intentar salvarse. Aún así, seguía haciendo posible, dos días a la semana, a veces una vez por semana, que en la Net siguiese presente y actualizada aquella heroica ya "Tauromaquia Portuguesa On Line"...

La salud de Fernando Dias, desgraciadamente, se deterioraba a pasos agigantados. Y a primeros de septiembre de aquel año 2001, Fernando Días escribía en la propia web de "Tauromaquia Portuguesa On Line" lo siguiente :

PARAGEM FORÇADA QUE NÃO AFASTAMENTO
Motivos que se prendem com o estado de saúde do editor deste site, obrigam o mesmo a um afastamento do seu habitual contacto com os visitantes e amigos por, pelo menos duas semanas.
Trata-se de uma paragem forçada, que não de um afastamento.
Os habituais elementos do "Clube de Amigos de Tauromaquia Portuguesa On-line", continuarão a ter, dentro da medida das possibilidades, um contacto com os nossos queridos amigos Eugenio Eiroa Franco e Jaime Martínez Amante, através dos Boletins Informativos que os mesmos editarão com a frequência que as circinstâncias lhes possibilitem.
Caso pretenda continuar a visitar o nosso site durante este período agradecemos que o faça uma vez que os seus numerosos conteúdos continuam on-line.
Forçados pelas circunstâncias que temos de enfrentar a todos apresentamos as nossas mais cordeais, efusivas e amigas saudações taurinas com um ATÉ BREVE!".
Fernando quería sobreponerse a la adversidad, pero la enfermedad le tenía cada semana más postrado. Desgraciadamente... era el principio del fin. Lo que con el paso del tiempo, nos llevó a transformar después de pocos meses, aquel "Naturales", ya en forma de "Naturales, Correio da Tauromaquia Ibérica", que pasó a estar presente en Internet, en forma de weblog, o site, permanente y con actualizaciones muy frecuentes, al principio conviviendo con el Boletín semanal y... al final, como era lógico, quedándose como propia y única publicación. La muerte de Fernando Dias, inevitablemente, nos llevó a aquello...

Fernando Dias -hasta su muerte- figuró como editor en la cabecera de "Naturales", mientras que como editores ejecutivos figurábamos Jaime M. Amante y este que esto escribe... Fallecido Fernando, su nombre siempre apareció asociado durante bastantes años a la "ficha técnica" de "Naturales, Correio da Tauromaquia Ibérica" a modo de homenaje póstumo y recuerdo por nuestra parte en el tiempo en que estuvimos al frente de esa publicación electrónica, hasta que dejamos de dirigirla y editarla.

La muerte de Fernando Dias fue un duro golpe para todos los que colaborábamos con el. Y para la propia Tauromaquia Portuguesa, a la que Fernando siempre había servido con una honestidad enorme y un compromiso notabilísimo. De haber seguido viviendo, estoy seguro de que "Tauromaquia Portuguesa On Line" no solamente seguiría existiendo, sino que habríamos llevado muy lejos, bajo la armoniosa y excelente dirección de Fernando, aquel proyecto periodístico estupendo, llamado a expandirse enormemente a medida que la propia Internet se iría desarrollando con el paso de los años.

Pero un día sonó el teléfono. Fernando ha muerto... y aunque más o menos sabíamos que aquel final podía llegar antes que tarde, fue un enorme abatimiento saber aquello, saber que tocaba darle el último adiós. No se iba un compañero en lides informativas taurinas, no se iba el gran pionero de la información taurina portuguesa en Internet... se iba un amigo excepcional, que me había tratado siempre de un modo tan especial que yo no merecía, que me había sobrevalorado muchas veces, que me había hecho sentir la pasión de poder escribir sobre aquello que mi sevillano abuelo Emilio me había ido explicando concienzudamente en tantas y tantas charlas de pequeño : el mundo de la Tauromaquia.

El Boletim "Naturales" salía pocas veces un día por semana, porque las más de las ocasiones salía 2, 3, 4 veces por semana... pasábamos las noches enviando cientos y cientos de e-mails por la Net adelante, con lo rudimentario que aquello a veces era... e-mails que transportaban adjunto, anexo, el Boletim en forma de PDF... El 11 de octubre de 2001 salió el número 38 del Boletim "Naturales". Y decía, al lado de su cabecera : "este es el número 38. Dedicado a Fernando Días, con todo el cariño y afecto de todos sus numerosos amigos, en el deseo de que recupere muy pronto las fuerzas que le han venido faltando últimamente".

Parte del Boletim "Naturales", número 38

Y aquella edición especial incluía una entrevista que unos meses antes le habían hecho a Fernando Dias en un portal de Internet, muy famoso entonces en Portugal : la Oninet, propiedad de la Oni. Esto fue lo que publicamos, reprodujimos entonces en el número 38 de "Naturales". Decíamos así al recuperar aquella muy interesante entrevista, la última que alguien le hizo a Fernando Dias, antes de su muerte :

El Editor de TAUROMAQUIA PORTUGUESA ON LINE, nuestro querido amigo y maestro taurino Fernando Días, sigue enfermo, como ya hemos venido informando. 

Como pequeño homenaje a la figura de nuestro admirado Fernando, reproducimos a continuación en el Boletim "Naturales" la entrevista que el acreditado portal de la Oni ofreció a sus habituales en el mes de Agosto pasado. Fernando aún soñaba con recuperarse, con afrontar todos aquellos proyectos que habíamos diseñado en conjunto en aquella "convención" de un año antes en Viana do Castelo...


Por tanto, o editor do site TAUROMAQUIA PORTUGUESA ON LINE foi convidado no dia 16 de Agosto, pela Oninet, a conceder uma entrevista destinada a ser incluída no Dossier que aquele site informativo começaria a apresentar nas suas páginas. Nesse mesmo dia foi-lhe enviado um questionário com 15 perguntas, às quais foi dada resposta no dia 20 do mesmo mes. 

Dada a extensão da entrevista, a Oninet, compreensívelmente, teve necessidade, dado o espaço que a mesma ocupava, de a encurtar, não lhe retirando de qualquer forma o sentido das opiniões expressas. 

No entanto, dado que algumas perguntas menos importantes foram suprimidas e outras respostas encurtadas, aqui apresentamos na íntegra as respostas que remeteu Fernando em 20 do agosto à Oninet, felicitando os seus serviços editoriais pela oportunidade concedida e pela forma como a mesma foi ilustrada com uma foto em que se invocam duas grandes figuras da Tauromaquia Portuguesa - Mestre João Branco Núncio e Maestro Manuel dos Santos. 


Fernando Dias (lamentamos
inmensamente no disponer de
mejor foto)

- Há quanto tempo se interessa pelas touradas; quando é que começou a seguir o mundo da tauromaquia? 

- Comecei-me a interessar pelas touradas muito jovem. Com dezoito anos já  assistia a corridas de toiros na praça de toiros do Campo Pequeno e na praça de Algés. Eram outros tempos, existiam muito bons aficionados, excelentes toureiros e empresários corajosos, empreendedores e imaginativos, vocacionados para a organização de espectáculos tauromáquicos. 

Praticamente comecei a seguir o mundo da tauromaquia a partir da altura em que me  apercebi, através dos contactos que mantinha e das obras que fui lendo e estudando... que efectivamente o mundo dos toiros tinha vertentes culturais absolutamente indossiciáveis dos povos ibéricos e sul americanos. Uma estranha simbiose de cultura, poesia, pintura, escultura, musicalidade. Enfim um conjunto inolvidável e de rara expressão, que galvaniza intervenientes e aficionados num "bruááá" de emoções de difícil caracterização. 

O que acabo de dizer é corroborado com o facto de eminentes intelectuais se terem interessado pelo fenómeno  tauromáquico, constituindo tema para as suas obras literárias, poéticas, musicais, desenho, pintura, ópera, etc.. Referir os nomes de Picasso, Ernest Hemingway, García Márquez, Bizet, Goya, entre muitos outros, não é apontar nomes vulgares, cujas obras constituem um valioso espólio para os estudiosos desta temática. 


- Como é que surgiu a ideia de fazer este site? 

- Ligado durante mais de trinta anos à organização e gestão financeira de empresas, acompanhei todas as evoluções que na informática se foi  vertiginosamente verificando, sendo um obstinado utilizador e também estudioso dessa área. Não podia portanto ficar indiferente ao aparecimento da internet. 

Apaixonado pelo Jornalismo e pela Rádio colabarei em alguns jornais e produzi diversos programas de rádio, sendo o pioneiro e talvez o único a transmitir corridas de toiros em directo, o que constituiu uma inovação na divulgação da Festa Brava por processos que cativavam o auditório. 

Depois dessas aliciantes experiências e numa altura em que a divulgação taurina no nosso país se resumia praticamente ao esforço desenvolvido por todos os que nas rádios locais apresentavam semanalmente os seus programas, com os condicionalismos de tempo de antena e da angariação de publicidade, pensei que a Internet seria o veículo mais rápido e acessível para continuar a desenvolver o meu interesse jornalístico. Estamos nessa altura em 1997, o virtual ainda não tinha nessa altura uma grande implantação no nosso país mas, em dois dias planifiquei uma página na altura denominada Tauromaquia Portuguesa On-Line - Tertúlia Tauromáquica Virtual que ficou inicialmente alojada no Terravista, tendo ido para o ar na madrugada do dia 7 de Maio de 1997. Em Junho desse ano a página é apresentada em Espanha no Hotel Rio de Badajoz, cuja feira de São João desse ano foi integralmente transmitida em directo, via internet, pelo meu site. Com  três monitores instalados no salão do hotel onde os colóquios tauromáquicos se realizavam era possível a quem nos visitava, incluindo os próprios toureiros, lerem as notícias que iamos difundindo e as crónicas, pouco tempo depois de as corridas terem acabado. 


- Todo um arranque de impacto, o do seu site... 

- Foi um êxito essa apresentação em Badajoz, aliás antecedida de uma experiência feita em Madrid no mês de Maio, durante a Santo Isidro de 1997, no Hotel Rafael Las Ventas. Sem grandes recursos técnicos nem colaboração nem apoios de qualquer entidade portuguesa, estas experiências vieram demonstrar que a informação na internet tem a velocidade do relâmpago antecipando-se a todos os restantes meios informativos. 

Aliás foi uma experiência inovadora e aliciante estas transmissões em directo, mais tarde alargadas à Feira do Cavalo na Golegã, ao XI Salão do Cavalo em Vila Franca de Xira, entre outras. 

Em Junho desse ano o site já estava instalado na Telepac com o suporte do nosso servidor Multibase. Fui introduzindo várias alterações no site até chegar ao figurino que hoje apresenta, sendo o único Portal Taurino e Equestre português, pensando não ficarmos por aqui e, até ao fim de este ano apareceremos, se tudo correr como pensamos, com o site completamente remodelado e com conteúdos do maior interesse, incluindo versões em espanhol e inglês. Esperamos concretizar este nosso objectivo, estando para o efeito encetando as indispensáveis conversações e negociações. 


- Como fez para angariar a informação? 

- Não foi fácil, nem é ainda fácil. Nunca fui apologista da informação amorfa, sem ser investigada, sem ser veiculada, destituída de qualquer cariz jornalístico. O meio tauromáquico vive muito do boato, do "diz-se, diz-se", do sensacionalismo, da provocação, da inveja, da hipocrizia e, principalmente do protagonismo. Tempos houve em que assim não acontecia. Os princípios que nessa altura regiam os agentes tauromáquicos não eram os mesmos daqueles que hoje são praticados. Empresários, apoderados e jornalistas como os que há uns trinta anos existiam não voltarão a aparecer. Existem hoje raríssimas excepções mas, de uma maneira geral, a Festa foi invadida por "paraquedistas" que, procurando evidenciar-se se servem da mesma em vez de a servirem. Isso é aliás um facto comprovado e reconhecido por quantos ainda prezam valores que se foram perdendo com o decorrer dos tempos. 

Aceitando a colaboração de quatro cronistas tauromáquicos nos quais reconheci qualidades suficientes para abraçarem este projecto, a informação foi ficando assegurada no tocante ao noticiário nacional e internacional, esta também com a colaboração e parceria de algumas agências e jornalistas estrangeiros, nomeadamente espanhóis. 

Esses quatro colaboradores que se propuseram participar com os seus trabalhos sempre o fizeram de uma forma absolutamente desinteressada, o que é muito louvável, uma vez  que este site não tem receitas nem subsídios de qualquer espécie. 

Juntou-se depois a este naipe o jornalista espanhol Eugénio Eiroa Franco, com um currículo invejável e um conhecedor profundo da cultura portuguesa, do nosso país, pessoa respeitada em Portugal e Espanha onde é redactor-chefe da Cadena Ser há cerca de 20 anos, sendo igualmente correspondente de vários jornais espanhóis de nomeada. 

Tinhamos assim uma equipa que assegurava um serviço noticioso, artigos de opinião, entrevistas e outros trabalhos. Qualquer destes colaboradores sempre se recusou a auferir qualquer remuneração devido à paixão com que desenvolviam o seu trabalho e por reconhecerem ser impossível suportar honorários quando não há receitas. 

É bom referir estes pormenores para que quem nos leia fique sabendo como as coisas em Portugal se processam no tocante à informação tauromáquica. 

Talvez um pouco cansados e quiçá desmotivados com o trabalho que aqui vinham efectuando, os quatro primeiros colaboradores abandonaram este "barco", tanto quanto parece por lhes ter surgido uma oportunidade de colaborarem num projecto onde iriam ser muito bem remunerados (?) e para onde tinham de trabalhar em exclusivo não podendo connosco continuar. A verdade é que todos eles contínuam colaborando nos mais variados meios de comunicação taurina e rádios locais(!). Sempre defendemos o velho ditado de que "só faz falta, quem está" e também "por morrer uma andorinha não acaba a primavera". 

Esses colaboradores abandonaram o barco mas ele continuou a navegar com a extraordinária colaboração de Eugénio Eiroa Franco e Jaime Martinez Amante, que em dois dias formaram o "Clube dos Amigos de Tauromaquia Portuguesa On-Line", que hoje regista mais de um milhar de aderentes, recebendo diariamente um Boletim Informativo completíssimo, editado deste Pontevedra, Leiria e Lisboa. O número de visitas diárias duplicou, as manifestações de solidariedade e colaboração são num número que muito ultrapassou as espectativas, o site renasceu, impôs-se, está vivo e para durar. Em breve outros jornalistas a nós se juntarão e os aficionados portugueses  e de todo o mundo têm hoje o órgão de informação mais completo que se edita em Portugal sobre estes temas. Sim porque informação tauromáquica na imprensa portuguesa cada vez é menos, portanto praticamente inexistente e as três revistas que se publicam com uma periodicidade mensal estão dependentes da publicidade que conseguem angariar sendo o seu noticiário absolutamente desactualizado por se reportar a eventos já há muito acontecidos.


Fernando Dias, um aficionado português, fundador do site "Tauromaquia Portuguesa", relembra-nos os bons momentos da Festa tauromáquica e comenta a desilusão que se vive hoje nas praças portuguesas. Uma opinião com "um misto de apreensão e de esperança", de quem (sempre) acredita na arte do toureio e nos novos valores.


- Como está o site a ser recebido pelo público? Existe grande participação nos fóruns? 

- O site tem, desde o primeiro dia, 7 de Maio de 1997, uma aceitação extraordinária por parte do público, que nos visita das mais variadas paragens do globo. Prova disso é o número de visitantes que o nosso contador de visitas regista, estando prestes a atingir o número de 60.000. Não é vulgar, num site dedicado a esta temática em Portugal, ter esta aceitação. 

Os fóruns têm tido uma participação invulgar, sendo de registar a presença de pessoas que não sendo propriamente aficionadas neles participam, tanto na rubrica Tertúlias Virtuais, onde são debatidos temas colocados à discussão, o que constitui um convívio e troca de impressões saudável e civilizado, como no Livro de Visitas onde milhares de mensagens são a prova concludente da implantação do nosso site. 


- Há muitos aficionados em Portugal? Ou há cada vez mais vozes contra as touradas? 

- Há muitos e bons aficionados e muita afición em Portugal. A organização de espectáculos em praças desmontáveis, em localidades onde a Festa nunca chegou, vai cada vez mais cativando as pessoas, fazendo-as passar a gostar de um espectáculo que nunca tinham visto, algumas, e satisfazendo os anseios de outras que dificilmente se podem deslocar às zonas tradicionais dos festejos tauromáquicos. Um facto a salientar e que reputo de importante é a presença de jovens que cada vez mais vão às praças de toiros. 

Evidentemente, a maioria destas pessoas não podem considerar-se verdadeiros aficionados, pois esses cada vez mais se vão afastando das praças de toiros portuguesas, uma vez que não concordam com as estruturas actuais, por estarem saturados dos cartéis que lhes são apresentados, enfim por terem da Festa em Portugal uma visão absolutamente catastrófica e com toda a razão, pois o mau momento que a Festa atravessa no nosso país deve-se, exclusivamente, à falta de ambição dos taurinos, da maioria dos toureiros e de alguns ganadeiros portugueses. 

Na qualidade de verdadeiro aficionado, sinto-me também muito céptico a esse respeito, desconhecendo quando a tauromaquia voltará a arrastar multidões às praças. O facto de, no ano 2000, a assistência média de pessoas ter sido de 2200 (segundo dados da Associação Portuguesa de Criadores de Toiros de Lide) comprova o que acabo de afirmar. O que vale é que Espanha está aqui ao lado e muitos milhares de portugueses não faltam às grandes feiras e corridas que lá se realizam e onde o espectáculo está estruturado de maneira absolutamente diferente e com muito mais seriedade. 

Contra as touradas levantam-se esporadicamente algumas vozes mas, quanto a nós, sem qualquer significado. Em nossa opinião, os anti-taurinos em nada influem para o estado a que as coisas chegaram. O que falta são taurinos empreendedores, imaginativos e que se dediquem a servir a Festa em Portugal, bem como artistas que, em vez de se acomodarem devido à fama que imaginam já ter alcançado, se entreguem de alma e coração à actividade que escolheram. Caso contrário retirem-se e dêem lugar a novos valores que vão aparecendo e aos quais não são dadas oportunidades. 

O toureio apeado estagnou por completo depois de épocas áureas que atravessámos. Está agora a renascer, tanto quanto parece, com o aparecimento de uns jovens novilheiros que têm tido brilhantes prestações tanto entre nós como no estrangeiro. Oxalá consigam singrar e representem condignamente o país e a profissão que abraçaram, como o fizeram tão brilhantemente aqueles que os antecederam. 


- Como vê a evolução da tauromaquia em Portugal?

- Com um misto de apreensão e de esperança. De apreensão porque, infelizmente, muitos "paraquedistas" foram surgindo movidos por ambições desmedidas, sem o mínimo de conhecimento do meio. Sem imaginação, sem um currículo que ofereça as mínimas garantias. Por outro lado, os que já existiam movem-se na Festa de forma absolutamente inacreditável, salvo raras e honrosas excepções, acumulando simultaneamente funções de apoderados, de empresários, enfim uma forma de defenderem interesses absolutamente paralelos à Festa, o que provoca cartéis repetitivos, que cada vez mais vão cansando os verdadeiros aficionados. 

Por outro lado, o naipe de cavaleiros que temos pretendem comandar as "operações", julgando-se os donos da Festa, acomodando-se em vez de tourearem e lançando alguns dos seus descendentes. Tudo isto em prejuízo daqueles jovens que pretendem ter a sua oportunidade, os quais quando a mesma lhes é concedida têm de pagar para tourear. 


- A tradição da tourada está assegurada em Portugal?

- Não quero ser pessimista nem derrotista, mas penso que a tradição só continuará assegurada caso apareçam pessoas movidas por sentimentos diferentes dos perfilhados pela maioria dos que cá estão e cujos interesses se direccionem para que essa mesma tradição se mantenha. E esta mudança tem de verificar-se tanto em relação aos artistas, como aos taurinos. 

Cabe dirigir uma palavra de muito apreço, de muito respeito e de muita amizade por aqueles que envergam a jaqueta das ramagens. Os Forcados, românticos de uma Festa que valorizam, da qual são parte integrante sem os seus nomes, na maior parte dos casos, fazerem parte dos cartéis onde vão actuar e arriscar a vida por um jantar. Os Forcados, amadores sem quaisquer tipos de apoios, os rapazes da jaqueta das ramagens, da faixa vermelha e do barrete verde, símbolos de uma tradição secular. 

Esperamos e desejamos que surjam vários D. Sebastiões que consigam inverter o rumo dos acontecimentos. Se eles surgirem, e o mais rapidamente possível, o futuro da Festa poderá estar assegurado. Caso "eles" não apareçam a tradição poderá infelizmente estar comprometida, não devido aos movimentos anti-touradas, mas pelos motivos que invoquei. 


- Na sua opinião, quais as principais virtudes da Tauromaquia em Portugal? 

- A tauromaquia sempre foi e contínua a ser uma escola de virtudes, onde imperava o respeito, a amizade, o companheirismo, o espírito de solidariedade. Infelizmente, fruto da sociedade em que vivemos, na qual os valores e bons princípios se vão perdendo de forma vertiginosa, também nela essas virtudes vão sendo afectadas mercê da forma generalizada como se implantou entre nós a teoria do "salve-se quem puder" e "há que não olhar as meios para alcançar os fins". Não podemos generalizar estas teorias, mas a verdade é que são uma realidade. É preciso não esquecer que o consumismo e o materialismo têm influenciado as sociedades praticamente em todo o mundo, sendo impossível rejeitar que nos afectem a todos. 

Já no tocante aos verdadeiros aficionados, a sua vivência pauta-se por princípios de união, organizando Tertúlias que são um ponto de encontro de pessoas com a mesma paixão, onde se trocam pontos de vista de forma por vezes acalorada mas muito civilizada. Os toureiros sempre estiveram disponíveis para com a sua arte colaborarem em espectáculos destinados a minorar as dificuldades dos menos protegidos. 

Como manifestação de arte que é, a tauromaquia tem a virtude de atrair e apaixonar intelectuais das mais variadas áreas, que a exaltam nas suas obras centrando sempre as suas atenções nos toiros e nos toureiros, protagonistas de um espectáculo que arrebata multidões. Espectáculo onde não é necessário tomarem-se medidas de segurança como acontece no futebol, e onde todos se comportam de forma ordeira apesar de divergências conceptuais. É, por conseguinte, um espectáculo recheado de virtudes, infelizmente nem sempre reconhecidas na sua justa medida. 


- Temos bons toureiros? Boas ganadarias?

- O nosso país sempre teve bons toureiros e belíssimas ganadarias que sempre foram respeitados no estrangeiro, onde passearam a sua arte e onde os seus toiros foram corridos. Ainda hoje isso acontece. O nosso mal são a falta de estruturas e um apoio governamental, que infelizmente não existe nesta área, como noutras sucede o mesmo. É preciso não esquecer que os nossos toureiros são autênticos embaixadores deste país. Portugal é a pátria do toureio equestre e do cavalo lusitano, valores que têm de ser defendidos, apoiados, reconhecidos. Caso isso não aconteça, será difícil aparecerem novos valores que substituam aqueles que existem, alguns dos quais o público já está cansado de os ver. Há bons toureiros, evidentemente, mas é urgente proceder ao lançamento de novos valores. 

As nossas ganadarias sempre ombrearam com as melhores de Espanha, estando neste momento atravessando uma crise resultante dos embargos que duraram tempo demasiado e que impediu os ganadeiros de exportar os toiros que foram criando, o que lhes causou um prejuízo incalculável, do qual se estão agora a refazer e que demorará o seu tempo. No entanto, pensamos que exista um efectivo em número e qualidade para satisfazer as necessidades. Nalguns casos, devido a esses embargos e situações relacionadas com a febre aftosa algumas ganadarias terão até um número excedentário de exemplares. 


- O que o atrai nas touradas?

- Como vivi os tempos áureos da Festa portuguesa, com cavaleiros, matadores de toiros e forcados de nomeada, cujos nomes fizeram a História da Tauromaquia em Portugal, sinto hoje uma certa nostalgia ao constatar quão diferentes são os tempos de agora, comparados com os de antigamente, em que as praças se enchiam para verem nomes como os cavaleiros Mestre João Branco Núncio, Simão da Veiga Júnior, António Luís Lopes, David Ribeiro Telles, Dr. Fernando Salgueiro, Pedro Louceiro, Manuel Conde, José Samuel Lupi, José Mestre Batista, ou os matadores de toiros Diamantino Vizeu, Manuel dos Santos, António dos Santos, Francisco Mendes, Armando Soares, Vítor Mendes e tantos outros. 

Atraía-me, e muito, também a corrida de toiros à portuguesa, onde as lides culminam com espectaculares pegas efectuadas pelos briosos forcados, únicos no mundo a executarem tal sorte. Sempre perfilhei da ideia de que pegar é tourear. Ainda hoje me atrai a nossa corrida, só que os tempos mudaram e os cavaleiros de hoje são "rejoneadores de tricórneo", como muito bem o afirmava o meu querido amigo jornalista João Queiroz, na revista "Novo Burladero". 

Atrai-me, por conseguinte a execução de lides dentro dos cânones, com respeito pelas regras e de acordo com as características apresentadas pelos toiros que saem à arena, tanto em relação aos cavaleiros como aos matadores de toiros. Fico desiludido quando os cavaleiros, em vez de tourearem, executam constantes correrias ao redor da arena, procuram executar "piruetas" que não sabem e em vez de procurarem executar sortes frontais como mandam as regras e ao pitón contrário, enveredam por ferros cambiados – por vezes mal executados – abusando das correrias, dos ferros em falso e a cilhas passadas, tendo o descaramento no final de lides destas pedirem mais ferros e, por sua decisão, darem imerecidas voltas à arena. 

Nunca se toureou tão mal a cavalo em Portugal como agora, razão porque os aficionados verdadeiros não vão às praças. Evidentemente que algumas excepções existem, principalmente em jovens que pretendem ver a sua classe ser reconhecida. Os denominados consagrados acomodaram-se, habituando-se aos toiros por "encomenda" de tal forma que, quando lhes sai um toiro a pedir "messas", eles não sabem o que fazer. 


- Aceita os touros de morte? Gosta de ver? Fazem sentido em Portugal?

- Sou um fervoroso adepto dos toiros de morte, ou seja da corrida integral. O contrário trata-se de uma farsa. Gosto de ver e desloco-me frequentemente a Espanha a fim de assistir àquilo de que tanto gosto e que com tanto vibro. 

Em Portugal faziam sentido se as estruturas o permitissem, uma vez que esse tipo de corridas implica um conjunto muito alargado de condições que vai desde a forma como são regulamentadas, à presença indispensável de picadores, toiros, devidamente encastados para o efeito, praças preparadas com enfermarias devidamente apetrechadas, médicos especializados no atendimento de toureiros feridos pelos toiros e todo um conjunto de outros factores que não vejo ser possível concretizar no nosso país. 

O que é certo é que os milhões que todos os anos saem do nosso país para entrar nos cofres do país vizinho, de aficionados que ali se deslocam aos milhares para assistirem às corridas, eram receitas que ficavam em Portugal. Por outro lado, a concretizar-se tudo isto, o que é verdadeiramente utópico vir a acontecer, nunca poderíamos ter corridas de toiros de morte sem incluir os cavaleiros e forcados. Portanto tinham de ser corridas mistas. Mas insisto que é verdadeiramente utópico pensar-se que algum dia isso venha a acontecer muito embora, em minha opinião, evidentemente que fazia sentido. 


- Qual a sua opinião sobre a polémica de Barrancos?

- A polémica de Barrancos foi gerada pelos média, pressionados por lobbies que, desesperadamente e sem qualquer tipo de argumentação plausível, pretenderam "denunciar" factos que sempre ocorreram naquela pacata e bonita vila, meio portuguesa e meio espanhola, ou se quiser muito mais ligada a Espanha do que a Portugal. As raízes tradicionais daquele simpático e hospitaleiro povo estão de tal forma enraizadas na sua forma de estar e de sentir, que ninguém conseguirá alterar a génese que se vem transmitindo de geração em geração. 

É uma "polémica" sem nexo, uma vez que, em minha opinião e com o conhecimento que tenho dos sentimentos daquela boa gente, nada nem ninguém alterará a sua forma de estar na vida nem as suas convicções, que, quer se queira quer não se queira, têm de se consideradas absolutamente legítimas. 


- A posição contra as touradas, por parte de várias associações de defesa dos animais, não faz qualquer sentido? 

- Exactamente. Não faz qualquer sentido. E não faz qualquer sentido por lhe chamarem associações e como sabe são várias as existentes, o que, desde logo, implica que se possa inferir tratar-se de grupos organizados com a intenção de desestabilizar a pacatez de muitos milhares de pessoas que escolheram o espectáculo tauromáquico como o seu espectáculo preferido. 

Imagine o que seria se aparecessem associações contra o futebol. Era bonito aparecerem à porta dos estádios, alguns dos quais com assistências a rondarem as cem mil pessoas, grupos de vinte, cem ou mil a procurarem impedir com insultos e agressões que essas cem mil pessoas assistissem ao seu espectáculo preferido. 

Na tourada, trata-se de uma demonstração de arte frente a um animal bravo que pode ter durante a lide as mais variadas reacções, animal que foi criado para esse efeito e para o qual a maior glória será morrer na arena com a dignidade com que foi criado. Não faz portanto qualquer sentido a existência de associações organizadas contra as touradas, principalmente se elas partirem de pseudo denominados defensores dos animais. 

Ouvem-se os maiores disparates pela boca de responsáveis por essas associações que em vez de protegerem os animais domésticos abandonados e mal tratados, se dizem preocupar com a forma como os toiros são tratados. Eles que não se preocupem com isso pois o toiro bravo é tratado, amado e respeitado por todos os agentes da Festa Tauromáquica, desde o ganadeiro que os cria, ao toureiro que após a sua lide lhes proporciona a morte digna que ele deseja desde que foi criado. 

Admito que haja pessoas que discordem ou que não gostem de touradas. Essas que não assistam às mesmas. Não posso de forma alguma é concordar com associações destinadas a criar um ambiente hostil e violento em relação às mesmas. As touradas são um espectáculo público, sendo criminoso existir quem impeça de assistir às mesmas os que delas gostam.

..............

Llegados al 25 de julio próximo ya, se cumplirá otro año más... 21 ya. Fue así cómo el 25 de julio de 2001 nació "Naturales, Boletim Taurino editado en Pontevedra, Leiria y Lisboa". Y semana a semana, entonces -via e-mail- salían de nuestras manos, en ediciones en PDF, envíos para más de un millar de personas que integraban entonces aquella lista gigante de destinatarios taurinos que teníamos de mano, muchos de los cuales nos contestaban luego dando las gracias... Era gratis, era puntual. La misión no era otra que complementar la labor de "Tauromaquia Portuguesa On Line" que, por la grave enfermedad de su editor y director, se había quedado coja... Luego, fallecido el inolvidable Fernando, tratar de humildemente sustituirle -en lo posible- en la Net, donde había dejado un vacío tremendo.
Hoy, créannos, no hemos querido recordar que 21 años atrás nació "Naturales, Boletim Taurino editado en Pontevedra, Leiria y Lisboa". Hoy hemos querido recordar, con todos los honores -aunque desde nuestra modestia-, a quien marcó aquel camino, a quien sin decirlo, con su muerte, paradójicamente, nos infundió ánimos para que, por el método que fuese, la actualidad taurina portuguesa fuese siempre difundida en Internet con honestidad y decencia, "porque los verdaderos aficionados deben estar para servir a la Fiesta, nunca para servirse", como el siempre nos decía. 

Descanse en paz, Fernando Dias.
Su recuerdo permanecerá vivo, cuando menos mientras nosotros vivamos.

EUGÉNIO EIROA