“Não sou aficionado de touradas, mas sou aficionado do respeito pela cultura dos outros” (Ministro da Cultura)

Pedro Adão e Silva

Uno que parece que no tolerará que la Tauromaquia sea pisoteada en Portugal es el nuevo ministro de Cultura, Pedro Adão e Silva. Fue interpelado este semana con ocasión de una visita al Alentejo y... dijo tener gran respeto por los que son aficionados a los Toros. Veamos...

A Radio Campanário foi o mass-media que deu destaque e primicia do assunto.

“Não sou aficionado de touradas, mas sou aficionado do respeito pela cultura dos outros”


O atual Ministro da Cultura deixou a seguinte reposta : “Eu não sou aficionado, mas fui bastante à tourada até aos meus 15 anos de idade, na companhia do meu avô que, entretanto, faleceu e depois deixei de ir. (…) Como já referi não sou aficionado de tourada mas há uma coisa que eu sou aficionado: É do respeito pelas práticas culturais dos outros”, acrescentando ainda que “acho fundamental que quem tem responsabilidades na Politica e na Cultura saiba respeitar as práticas dos outros e respeitá-la significa respeitarmos o gosto dos outros...”.

Se quere, pode ouvir a intervenção completa no site da Rádio Campanário – AQUI


Pedro Adão e Silva nasceu em Lisboa, em 1974.

É Licenciado em Sociologia (ISCTE-IUL), 1997, e Doutorado em ciências sociais e políticas (Instituto Universitário Europeu, Florença), 2009.

Foi professor auxiliar na Escola de Sociologia e Políticas Públicas do ISCTE-IUL onde foi, também, diretor do programa de doutoramento em políticas públicas (até setembro de 2021). 

Foi vice-presidente do IPPS-IUL (até setembro de 2021) e é membro da direção do laboratório colaborativo CoLABOR, onde coordenou (até setembro de 2021) a linha de investigação dedicada à «proteção social». Ainda no CoLABOR fez parte da equipa responsável pelo desenvolvimento da plataforma «DataLabor». 

Foi comissário executivo das comemorações do quinquagésimo aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974, entre junho de 2021 e 30 de março de 2022.

Tem coordenado a edição de vários volumes de análise das políticas públicas em Portugal e publicado vários artigos sobre o tema, em particular nas áreas sociais, em revistas nacionais e internacionais. Em conjunto com Ricardo Paes Mamede coordenou o relatório «Estado da Nação e as Políticas Públicas - menos reformas, melhores políticas» (2019) e «Estado da Nação e as Políticas Publicas - valorizar as políticas públicas» (2020). É responsável, desde 2012, pela organização do Fórum das Políticas Públicas do ISCTE-IUL. 

É membro do Conselho Geral da APREN - associação de energias renováveis e do Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (CNCTI). É, também, comentador e colunista em vários órgãos de comunicação social.