Tribunal dá luz verde à demolição da praça de touros da Póvoa

No hay ya nada que hacer... lo que aún queda de la que fue Monumental Plaza de Toros de Póvoa de Varzim va a ir abajo. El último Tribunal que podía poner freno al asunto ha dado luz verde a lo que pretende el presidente de la Câmara Municipal, el "converso" Aires Pereira. Este, envalentonado por la decisión judicial, promete ir a por los que se opusieron en instancias judiciales a sus fines y exigirles daños y perjuicios...

Adiós a la plaza de toros de Póvoa de Varzim, donde tantas y tantas brillantes páginas de la Tauromaquia portuguesa se escribieron. Ni siquiera un acto de desagravio ha merecido su fin... La noticia de la que hoy nos ocupamos, que corresponde a la segunda quincena de marzo que queda atrás, no ha merecido mayor preocupación de los llamados agentes taurinos. Ni siquiera una nota de condolencia. ¡Así va la Fiesta!.


Providência cautelar da Patripove foi rejeitada. Plano de Pormenor para a zona já está aprovado.

Mais de um ano após a paragem das obras, a pretendida Póvoa Arena -que conleva a desaparição da praça de toiros- está, finalmente, em condições de avançar. O Plano de Pormenor da zona E54 (PP E54) foi aprovado pela Assembleia Municipal (AM) da Póvoa de Varzim e o tribunal indeferiu a providência cautelar que pretendia impedir a demolição da praça de touros. A obra deve recomeçar agora em abril e o presidente da Câmara, Aires Pereira, já fez saber que a autarquia quer ser ressarcida pelos custos da paragem.

"Já não existe providência cautelar. Com a publicação do E54 em Diário da República teremos condições para pôr as coisas em andamento. O Tribunal Administrativo [e Fiscal do Porto] pura e simplesmente decidiu que não havia lugar a providência cautelar e que todos os argumentos utilizados não faziam sentido", afirmou, Aires Pereira, no final da AM.

A providência cautelar foi interposta a 27 de novembro de 2020, pela, na altura recém-criada, Patripove - Associação de Defesa e Consolidação do Património Poveiro-. Evocava a importância da praça de touros, "património" e "memória" da cidade, e pedia que o tribunal impedisse a sua demolição. Agora, garante Aires Pereira, ouvidas as partes, o tribunal deu razão à autarquia e a demolição da praça, que dará lugar a um moderno multiusos, vai mesmo avançar.

Na sessão da AM foi aprovado o novo PP E54, ainda que com os votos contra de toda a oposição. O Plano engloba o quarteirão da praça de touros, o estádio do Varzim e as instalações do Clube Desportivo da Póvoa.

Já quanto aos custos da paragem, Aires Pereira diz: "Terão que ser assacados a quem causou enorme prejuízo ao erário público e disso não abdicarei". A obra foi adjudicada ao grupo ABB por 8,7 milhões, mas, por ordem do tribunal, parou logo no arranque. Agora, mais de um ano volvido, admite, poderá não ser possível manter o orçamento.