"Hoje eu perdi um amigo e coisa mais triste no mundo não há"...

"É que é hoje fiz um amigo e coisa mais preciosa no mundo não há"... Assim cantava Sérgio Godinho. 

Hoje eu perdi um amigo e coisa mais triste no mundo não há. Hoje perdi o meu amigo Manuel Andrade Guerra, uma pessoa de bem, um cidadão exemplar, recto, amigo do seu amigo, jornalista de grande mérito e valor, cuja prosa, traduzia notável sentido de observação, conhecimento, equilíbrio e imparcialidade. 

Lia no Diário de Notícias as suas crónicas das corridas de toiros, misto de notícia e crítica que muito contribuíram para a minha formação de aficionado. Foi antes do 25 de Abril de 1974. Em 1979, cheguei ao jornalismo taurino e no Manuel Andrade Guerra, encontrei um Mestre, mas também o amigo a quem recorri inúmeras vezes, tanto enquanto escrevi de toiros como durante as catorze temporadas em que estive ligado ao Campo Pequeno. 

Um amigo que sempre me apoiou, nunca me negando o seu contributo para as várias acções em que solicitei a sua colaboração. O maldito vírus quis levá-lo para junto do escol da crítica que já subiu à "cátedra etérea", quando o seu sabertanto havia ainda que esperar. Fica a sua obra, espalhada não só pela Tauromaquia, como pelas várias áreas do Jornalismo, e a saudade de todos os que com ele conviveram e apdenderam. 

À família e em especial a sua mulher, filhos e netos expresso o meu sentido pesar. Descanse em paz amigo Manuel."

PAULO PEREIRA
Jornalista