Sobre los forcados. Un apunte de Nuno Ferreira

Forcados da Tertúlia Tauromáquica do Montijo (Foto de Ana Paula Antas)

FORCADO

Por Nuno Ferreira, forcado.
Aqui descrevo o significado desta tão nobre palavra. 
Amados por muitos e odiados por outros tantos. Nada relevante no ponto de vista de um forcado. 
Quem veste a jaqueta trás no sangue humildade e uma enormíssima dose de educação e valores. 
Fazemos das arenas plataforma, escolhemos, idealizamos este modo de vida pois trazemos a festa nas veias! 
Sentirei tristeza na desvinculação desta arte e seria menos (eu) caso tivesse de me afastar um dia... 
Idealização contemporânea descrita nas palavras de alguns críticos ignorantes, preconceituosos e crentes de uma opinião contraditória á minha, mas sou "suspeito", sou Forcado!

Parabéns a todos aqueles que viveram e morreram a fazer o que amam... Penso ser este o caminho a seguir. A vida continua mesmo para aqueles que inconscientemente (ou não), tentam por fim à festa brava. 
Eu cá vou andando e vivendo na família que escolhi. Uma vida e uma família pela qual tenho e devemos nos orgulhar.

A todos os aficionados da festa brava um grande bem haja e se dúvidas houver, estamos cá, estamos juntos, estamos felizes, somos felizes! O resto é conversa...
Em 1836, no reinado de D. Maria II, foi decretado a proibição da morte dos toiros na arena, para remate da lide dos cavaleiros, passou-se a pegar o toiro.
Foi assim que no século XIX teve formalmente origem a existência dos forcados como conhecemos nos dias de hoje.
Descendem directamente dos antigos Monteiros da Choca, grupo de moços que, com os seus bastões terminando em forquilha ou forcados, defendiam na arena o acesso à escadaria do camarote do Rei, que com o decreto de D. Maria II passaram a ser eles a pegar o toiro, evoluindo o nome de Monteiros da Choca, para Moços de Forcado ou simplesmente Forcados.
A pega já se praticava sem galardões de espectáculo e a sua técnica seguramente já era conhecida mas como tudo sofreu algumas alterações até aos dias de hoje.
Depois da reunião do primeiro elemento com o touro, cabe aos ajudas a tarefa de imobilizar o touro para que a pega se considere realizada.
Artículo Anterior Artículo Siguiente