Portugal) Cien años de la Associação Nacional de Toureiros merecen un repaso con Nuno Pardal

OS 100 ANOS DA ASSOCIAÇÃO

NACIONAL DE TOUREIROS

Por Jaime Martínez Amante.

Nuno Pardal, presidente da Associação Nacional de Toureiros


A Associação Nacional de Toureiros comemora este ano o seu 1º Centenário. 100 Anos onde a história da tauromaquia Portuguesa se cruza com o papel desempenhado e importante da ANT.

Da castiça e típica Rua da Rosa em pleno Bairro Alto até à sua actual Sede sediada em zona nobre de Lisboa, o antigo Sindicato dos Toureiros é hoje uma referência no mundo dos toiros em Portugal.

Nuno Pardal Ribeiro, actual Presidente da Direção, que com grande esforço e dedicação têm procurado por todos os meios apoiar os seus associados e beneficiários, neste período de crise social e económica, falou com a Tribuna da Tauromaquia Ibérica.


- 100 anos da Associação Nacional de Toureiros. Um pouco da História deste Centenário?


Em Outubro de 1921, foi fundada a Associação de Classe dos Toureiros Portugueses, presidida pelo cavaleiro José Casimiro e que também englobava os forcados profissionais.

A sua sede estava sediada na Rua da Rosa em pleno Bairro Alto - Lisboa.

Em Janeiro de 1934 a Associação de Classe deu lugar ao Sindicato Nacional dos Toureiros Portugueses.

Por decisão governamental, em 1964, os forcados profissionais deixaram de poder pertencer a este organismo.

Em 1951, o maestro Diamantino Viseu criou o Fundo de Assistência dos Toureiros Portugueses, solidário com as dificuldades que alguns dos associados apresentavam.

Este Fundo até aos dias de hoje continua a proteger os artistas na assistência ao acidente, na educação, no complemento da reforma aos já retirados e ainda apoio às viúvas.

Toureiros e Sindicato estiveram sempre na primeira linha na ajuda aos mais necessitados, colocando-se sempre, gratuitamente, à disposição de várias instituições de solidariedade que usufruíram desse benefício.

O Governo, até mesmo após o 25 de abril de 1974, tinha sob a sua alçada a nossa classe profissional, cujo os contratos de trabalho, sem os quais não era possível realizar um espetáculo tauromáquico, eram entregues no Ministério do Trabalho e por eles discutidos, homologados e com prestação de caução por parte das empresas promotoras.

O papel do Sindicato no pós 25 de abril de 1974 foi de elevada importância na defesa de muitas ganadarias e coudelarias, promovendo várias reuniões com os ministros da agricultura e do trabalho que desempenhavam funções na altura.

Em 1975, fruto dos momentos controversos e revolucionários da época, foi criada no seio do então Sindicato dos Toureiros Portugueses, uma Secção de “Controle e Defesa do Touro e Cavalo” onde demonstramos a importância do Espetáculo Tauromáquico em termos econômicos, turísticos e sociais.

O Sindicato fez um protocolo com o seu homólogo espanhol que considerava que o português era o melhor exemplo no panorama mundial com reconhecimento governamental. Faz também parte da comissão de tauromaquia com assento no Ministério da Cultura, estando a mesma inativa, desde que foram colocados elementos animalistas na referida comissão.

Em 2010 o Sindicato mudou a sua designação para Associação Nacional de Toureiros, continuando a ser uma associação sindical na defesa dos seus artistas.

De salientar que na nossa organização estão incluídos, para além dos toureiros, emboladores e moços de espada.

Recentemente estabelecemos um protocolo com os Serviços Médicos dos SAMS, que é uma enorme mais-valia para os nossos associados e respetivas famílias.

Pela sua presidência passaram, entre muitos outros, Manuel Conde, José Mestre Batista, José Maldonado Cortes, Fernando Andrade Salgueiro, Manuel Jorge de Oliveira, António dos Santos, Francisco Núncio, João Palha Ribeiro Telles, sendo eu presentemente a ter a honra de desempenhar este cargo.


- Qual o Futuro da ANDT?


A Associação Nacional de Toureiros está muito bem organizada e o seu futuro cruza-se com o futuro da tauromaquia. Futuro esse que depende muito de todos nós, toureiros, forcados, ganadeiros, empresários e aficionados.

É importantíssimo que, de uma vez por todas, haja união interna para que a defesa desta atividade que tanto amamos seja efetiva



- Comemorações. Está já anunciada uma Extraordinária Corrida de Beneficência. Haverá outro tipo de eventos ?


Numa época atípica devido à COVID houve muitas restrições, como tal  não iremos comemorar da forma que gostaríamos e como a data merece.

Contudo, iremos organizar, já no próximo dia 24 de Outubro na Praça de Toiros da Moita do Ribatejo, uma Corrida de Beneficência Comemorativa dos 100 anos da Associação Nacional de Toureiros, cuja receita reverterá a favor do Fundo de Assistência dos Toureiros Portugueses.

Muito brevemente iremos dar todos os pormenores deste espetáculo que julgamos ser uma ótima maneira de encerrar esta época.

Pretendemos que seja uma jornada dedicada ao Centenário da nossa Associação. Gostaríamos que o ambiente em redor da “Daniel do Nascimento” fosse de Festa e de solidariedade.

Aguardamos de momento os pareceres das entidades governamentais para conhecermos qual a lotação permitida (na praça) e o que poderemos organizar mais. Assim que tal acontecer divulgaremos a composição do cartel e o programa geral para essa jornada.

É uma data muito especial e como tal conto com a presença de todos os profissionais do toureio e com o carinho e amizade dos nossos aficionados e do nosso público.

Gostaríamos ainda de realizar um Jantar de Gala para comemorar esta data.





Artículo Anterior Artículo Siguiente