Carta abierta y frontal a la Inés mandamás del partido PAN obsesionado en prohibir la Tauromaquia

Hubo follón gordo en las últimas horas en las calles de la ciudad de Montijo. Andaban los del PAN, con su lideresa al frente, proclamando su evangelio electoral, que pasa como medida estrella por cargarse las corridas de toros en todas cuantas ciudades puedan... pero les salieron al paso no pocos aficionados taurinos -cada vez más hartos de furibundos y fundamentalistas políticos- y les cantaron las cuarenta. Unas horas después, una muy popular aficionada, muy activa en Internet, escribía lo que sigue y que merece la pena leer...


De mulher para mulher lhe digo : 
a Sra. é digna de pena!



Setembro 20, 2021

Decidi escrever estas palavras uma vez que hoje a sua pessoa em representação do seu partido se deslocou à cidade do Montijo, cidade essa que pertenço há três anos, que me recebeu de braços abertos e que acima de tudo sempre me respeitou enquanto ser humano, mulher, mãe e cidadã.

Não sei se algum dia cá por tinha estado mas isso agora pouco importa porque se nunca tinha acontecido estou certa que ao dia de hoje percebeu as raízes do Montijo, percebeu que os aficionados que coabitam nesta cidade são de fibra, são corajosos mas acima de tudo são educados, sabem estar e são directos na defesa das suas tradições, ideologias e gostos....

Percebo que tudo isto lhe pareça estranho uma vez que não é apanágio este tipo de linguajar no seu quotidiano, prova disso é perceber que sempre que se desloca a qualquer manifestação contra a Tauromaquia a palavra de ordem da sua "defesa" é as ofensas, o ódio e o rancor!!!!

Hoje de mulher para mulher lhe digo que ficou bem patente que a sua pessoa e todos aqueles que batem no peito e enchem os pulmões de ar para proferir ofensas aos aficionados não são bem vindos no Montijo assim como acredito que não o sejam em todas as terras aficionadas espalhadas de norte a sul deste país à beira mar plantado e que tem nas suas raízes a cultura tauromáquica.

De mulher para mulher posso lhe dizer que tenho pena de si, não pela pessoa que é porque nem a conheço felizmente; a minha pena é alimentada das suas participações de partilha de ódio gratuito onde os limites não existem, onde nos seus ideais defender um animal é tão válido quanto desejar a morte a um aficionado.

Sabe Inês?, sou ribatejana, cresci no campo no meio do esterco, no prado, em contacto com toiros, cavalos, galinhas, porcos e os mais variados animais que se encontram no bonito Ribatejo; tive por isso umas das melhores infâncias de sempre porque ao contrário de muitos que a acompanham conheço a realidade do campo, realidade essa que lhe passa muito ao lado porque na íntegra pouco ou nada sabe... Ser do campo é colocar a mão no esterco; é sentir a plenitude e não nojo, plenitude essa que nos define enquanto pessoas com raízes, pessoas que sabem ordenhar, pessoas que sabem fazer apalpação a uma vaca, que sabem tosquiar uma ovelha ou até mesmo desbastar um poldro!!!

A sua escola é a teoria que muitas vezes é invertida para alimentar as suas mentiras e enganar uns quantos que apregoam os seus delírios.

Ser do campo não é ter aquela casa bonita que se percorre de saltos altos; ser do campo é calçar as galochas ou andar descalço subindo os fardos de palha para lá do alto podermos ver a lezíria que alimenta a nossa cultura.

Nada disto está ao seu alcance porque a sua ignorância é de tal forma avultada que faz de si um ser que fala de tauromaquia sem saber o que é um pega, sem saber arranjar um cavalo, sem ter noção do que é um espectáculo taurino e toda a história que durante anos e anos nos fizeram chegar onde estamos hoje....

A sua vinda hoje ao Montijo serviu para perceber que ao contrário de vocês não precisamos de ofensas, agressões ou partilha de ódio gratuito, somos muito superiores a tudo isso e é por esse motivo que não somos melhores nem piores mas acredite muito mas mesmo muito diferentes.

Não lhe pedimos que goste mas sim que respeite, porém pedimos o impossível uma vez que a Inês não sabe nada de respeito, valores, princípios assim como nada sabe do campo, do toiro bravo e da tauromaquia e por isso faz o papelão que faz.

Dá a cara por um partido que defende "pessoas e animais" mas nunca a vi fazer manifestações nas imediações de um lar de idosos onde eles morrem atolados de fezes e urina, onde não têm amor, onde são despejados pelas famílias e onde só servem para alimentar aqueles que lhes querem tirar o pouco que têm....

Não a vi manifestar-se em Reguengos de Monsaraz por exemplo quando perdemos muitas vidas, vidas essas carregadas de história mas não menos válidas para serem menosprezadas por alguns que acham que já tinham vivido o suficiente e então que morram como ratazanas no meio do esgoto.

De mulher para mulher lhe digo, ganhe vergonha na cara porque é o que lhe falta neste momento onde para si a vida humana é tão descartável uma vez que o que lhe dá visibilidade é a Tauromaquia.

Lara Veiga Vicente



Artículo Anterior Artículo Siguiente