Última hora ) Protoiro acusa o PAN de incentivo ao ódio e promover violência

Imágen de momentos de enorme tensión vividos ayer en la cercanía de Campo Pequeno



A Federação Protoiro acusa o partido radical-animalista PAN de usar um discurso de incentivo ao ódio e de, por consequência, promover violência, vandalismos e agressões sobre cidadãos e famílias que ontem se deslocaram ao Campo Pequeno.  


COMUNICADO 

No rescaldo do dia de ontem, nos eventos que sucederam em torno da corrida realizada na praça de Touros do Campo Pequeno, onde se realizou uma homenagem à carreira do cavaleiro João Moura, a Protoiro vem destacar o seguinte:

1- Repudiamos e condenamos profundamente a violência, insultos, vandalismos, intimidações e agressões que foram realizadas pelos manifestantes, atacando cidadãos e famílias, muitas vezes na presença de crianças, numa demonstração de ódio e total ausência de civismo, além da inexistência de qualquer distanciamento social, no momento pandémico em que nos encontramos, pondo em causa a saúde pública.

2- Elogiamos a forma ordeira, pacífica e civilizada com que os aficionados suportam estas demonstrações de violência, dando uma vez mais exemplo dos seus valores, elevação, respeito e educação. 

3- Repudiamos o aproveitamento político realizado pelo PAN, que transformou um caso de justiça, que diz respeito à vida pessoal do cavaleiro João Moura, numa tentativa de ataque à cultura tauromáquica e aos valores de tolerância e respeito pela liberdade e diferença de pensamento. À justiça o que é da justiça, à tauromaquia o que é da tauromaquia. Todos aguardamos as conclusões da justiça. 

4- Condenamos o uso de um discurso de incentivo ao ódio e de justicialismo público, por parte do PAN, que criaram um contexto promotor de violência, como ontem sucedeu, com insultos e agressões, por vezes em frente a crianças, insultadas e intimidadas junto com os pais. 

4- Denunciamos que este partido também ignora o respeito pelos mais básicos princípios de um estado de direito democrático, como a presunção de inocência até existência de uma sentença transitada em julgado, embarcando num julgamento em praça pública, impróprio de democratas.

5- Congratulamo-nos pelo livre exercício da produção e acesso à cultura, com a realização de uma corrida de toiros, num exemplo de livre iniciativa e exercício de direitos culturais consagrados na Constituição Portuguesa, corrida essa que teve um resultado artístico extraordinário. 

PROTOIRO
Federação Portuguesa de Tauromaquia 

“Pela boca morre o peixe”. Nós até contámos mais alguns manifestantes. O PAN quis transformar um caso de justiça num ataque às #touradas mas afinal “a montanha pariu um rato” e a aficion mostrou que somos muitos muitos mais. Lá dentro praça cheia com 3500 aficionados dentro das limitações existentes. Para quem não sabe, mais de 3 milhões de portugueses afirmam-se aficionados (dados Eurosondagem) e cerca de meio milhão vão a corridas de toiros por ano. Partilha! ("Touradas", canal en redes sociales de la PROTOIRO)



Artículo Anterior Artículo Siguiente