Palavras para quê?, diante de apontamentos biográficos como estes...

Resumimos -si es que fuese posible resumir- la impresionante y riquísima trayectoria pública de Vítor Escudero de Campos. Impresiona, sin duda, que haya sacado tiempo y dedicado tan enorme esfuerzo en sus ratos libres, extra profesionales (donde fue un excepcional periodista primero y luego directivo y responsable de Comunicación y Marketing en empresas de muy alto relieve), para promover y protagonizar tan importantes tareas y situaciones. Veamos algunas tan solo...

Vítor Manuel Escudero de Campos, nasceu em Lisboa, a 14 de Agosto de 1958, na Freguesia de São Jorge de Arroios. Cursou Sociologia e fez o Curso de Pós-Graduação em Sociologia das Religiões, no Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa. Cursou o IADE, em vários Cursos Livres, nomeadamente em Desenho, História da Arte e Marketing. É Licenciado em História, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. Frequenta o Curso de Pós-Graduação em História, Memórias e Identidades de Lisboa, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa. 

PRIMEIROS TEMPOS COMO JORNALISTA    

Profissionalizou-se como Jornalista, tendo passado pelas Redacções de “O Templário”, “Cidade de Tomar”, “O Sol”, “O Diabo”, “A Rua”, “A Tribuna”, “Diário de Coimbra”, “Jornal de Turismo”, semanário “Turismo”, revista “Portugal – Turismo e Actualidades” e “Correio da Manhã”. Especializou-se, primeiramente, em jornalismo de Turismo e, mais tarde, na área das Ciências Auxiliares da História e Cultura em geral. Fez vários cursos livres, seminários e congressos, tendo passado a assegurar com regularidade a Crítica Tauromáquica e a Crítica de Arte. Foi Chefe de Redacção do semanário “Domingo”; Director-Adjunto da Agência de Notícias e Editora “Portugal Press” e Director das revistas “O Sector 1”, “Festa”, “Crónica Taurina” e “Tauromaquia”. E ainda desempenhou como Jornalista, Director-Adjunto da revista “Novo Burladero”, tendo comemorado em 2008 os seus 30 Anos de fundação e actividade ininterrupta. 

Foi Membro Fundador do “Prémio Fernando Pessoa de Jornalismo” e Secretário do respectivo Júri, durante as quatro primeiras edições do Prémio. Como Jornalista e Crítico Tauromáquico foi Correspondente em Portugal da revista de temática espanhola “6 Toros 6”, tendo colaborado ainda com outras publicações espanholas e francesas. Como Crítico de Arte, asseguraria há já vários anos uma secção mensal – revista “Novo Burladero” - na qual apresentava o arrolamento dos Artistas Plásticos com Temática Tauromáquica. 

PAIXÃO ARTÍSTICA

Fez parte do Júri Internacional do “Prémio Penagos de Desenho” (Espanha), patrocinado pela Mapfre Vida; e colaborou activamente com a organização e o júri de vários certames e exposições de artes plásticas (Casa do Ribatejo, Grupo dos Amigos de Lisboa, Câmaras Municipais de Vila Franca de Xira, Santarém, Angra do Heroísmo, Benavente, Alcochete, Montijo, Sintra e Lisboa, Junta de Turismo do Estoril, etc...). Foi o organizador, o promotor e o apresentador em Portugal, das Primeiras Exposições Individuais dos pintores espanhóis: Luís Francisco “Esplá”, Nuñez-Cortês, Jacaranda Albaicín, Jesus Soler, Lucia Losán, Victor Pulido, José María Franco e López Canito. Foi, ainda, promotor e apresentador em Portugal dos Escultores Victor Pulido e Alberto Germán, ambos espanhóis. Como Jornalista e Crítico de Arte, proferiu inúmeras Conferências e assinou diversos trabalhos, nomeadamente textos para Catálogos dos seguintes Artistas Plásticos: Bual, Christine Hélène, António Martin Maqueda, Domingos Saraiva, Manuel Fernandes, Rui Fernandes, António Araújo, António Inverno, Jacaranda Albaicín, Vicente Castell-Allonso, Moita de Macedo, Carlos Ramos, Rogério de Abreu, Rogério Timóteo, Francisco Simões, Ana Maria Malta, António Sardinha, Cristina Maldonado, Fernando Castello Branco (Pombeiro), João Cutileiro, Luís de Sousa Cabral, Manuel Goes, Gitana, Pedro Nunes, Maria de Freitas, Sabine Marciniak, Saulo Silveira, Jayr Peny, Marcello de Moraes, António Severino, Jorge Macieira, Ricardo Paula, Alberto Germán, Conde de Guedes, José María Franco e Ricardo Passos...

Foi durante mais de dez anos o Director da Galeria de Arte do Palácio Valmor, Clube de Empresários, em Lisboa, de parceria com o seu concessionário Mestre António Clara. Foi, também, o Responsável pela Galeria de Arte do Castelo de Ourém, sob o alto patrocínio da Fundação Cultural Oureana e da Sereníssima e Real Casa dos Duques de Bragança. Em 2003, inaugurava o seu espaço próprio, na Alta de Lisboa/Quinta do Lambert, em Lisboa. A inesquecível “Escudero – Galeria de Artes e Letras”, onde acolheu exposições de Pintura, Escultura, Serigrafia, Gravura, Fotografia e o lançamento de livros de cultura.

ESCRITOR E INVESTIGADOR

É autor ou co-autor de diversos livros, entre eles :
S.M. o Rei D. Juan Carlos I, de Espanha, O Amigo de Portugal, 2008
Salazar, O Maior Português do Século XX, 2008
A Família Veiga (Frade) de Lavre, 2004
Dicionário da História de Lisboa (Direcção de Francisco Santana e Eduardo Sucena), 1994
Diamantino Vizeu – Primeiro Matador de Toiros Português, 1987

Algumas distinções e prémios

Foi agraciado com :
Cavaleiro da Real Ordem Dinástica de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, da Casa de Bragança, Dezembro de 2006.
Grã – Cruz da Real Ordem Dinástica de São Miguel da Ala, da Casa de Bragança, Decreto nº 06, de 29 de Setembro de 2006.
Oficial da Real Ordem de São Maurício e São Lázaro, da Casa Real de Sabóia, 2008.
Cavaleiro de Jure Sanguinis da Sagrada e Militar Ordem Constantiniana de São Jorge, da Casa Real das Duas Sicílias, 2007.
Grã – Cruz da Ordem da Águia da Geórgia e da Túnica Inconsútil de Nosso Senhor Jesus Cristo, 2008.
Grã – Cruz da Ordem da Coroa da Geórgia, 2009.
Senador da Ordem da Rainha Tamara da Geórgia, 2010.
Grã – Cruz da Real Ordem da Coroa do Egipto, 2009.
Grande Oficial da Ordem “Pro Merito Melitensi” da Soberana e Militar Ordem de Malta, Roma, 2010.
Comendador da Ordem “Pro Merito Melitensi” da Soberana e Militar Ordem de Malta, Roma, 2008.
Comendador da Real Ordem da Coroa do Egipto, 2008.
Grã – Cruz da Real Ordem do Crescente de África, do Egipto, 2010.
Grande - Oficial da Imperial Ordem do Dragão de Annam, da Casa Imperial do Vietnam, 2006.
Grã – Cruz da Ordem Real do Grou do Ruanda, por iniciativa pessoal de S.M. o Rei Kigeli V, do Ruanda, em 26 de Setembro de 2006.
Grã – Cruz da Ordem Real do Leão do Ruanda, por iniciativa pessoal de S.M. o Rei Kigeli V, do Ruanda, em 26 de Setembro de 2006.
Comendador da Ordem Real do Leão do Ruanda, Decreto nº 143, de 15 de Agosto de 2006.
Cruz de Oficial da Ordem de Mérito Civil de Espanha, por iniciativa pessoal de S.M. o Rei D. Juan Carlos, em 24 de Junho de 2005.
Cruz “Pro Merito Melitensi” da Soberana e Militar Ordem de Malta, Decreto nº 32199, de Roma, 11 de Fevereiro de 2004.
Grã – Cruz da Ordem da Santíssima Trindade da Etiópia, por iniciativa pessoal de S.A.I.R. o Príncipe Ermias Sahlé-Seilassié, 2010.
Grã – Cruz da Ordem de Mennelik da Etiópia, por iniciativa pessoal de S.A.I.R. o Príncipe Ermias Sahlé-Seilassié, 2011.
Comendador da Ordem da Estrela da Etiópia, Decreto nº 1.637, de 29 de Agosto de 2003.
Comendador da Ordem Dinástica de São Miguel da Ala, da Casa de Bragança, Decreto nº 89, de 29 de Setembro de 2003.
Cavaleiro Honorário da Ordem Dinástica de São Miguel da Ala, da Casa de Bragança, Decreto nº 141, de 29 de Setembro de 2002.
Cavaleiro da Ordem Dinástica de São Miguel da Ala, da Casa de Bragança, investido em 29 de Setembro de 1985.
Título de Mestre de Cerimónias da Ordem Dinástica de São Miguel da Ala, da Casa de Bragança, Decreto nº 88/04, de 5/3/2004.
Cruz de Mérito da Causa Monárquica, Registo nº 157/1993 – Ordem no Grau nº 65
Medalha “Cruz Vermelha de Dedicação”, da Cruz Vermelha Portuguesa, em 2003.
Medalha “Cruz Vermelha de Agradecimento” da Cruz Vermelha Portuguesa, em 1993.
Medalha de Reconhecimento da Cruz Vermelha Portuguesa, em 1987.
Alvará do Conselho de Nobreza de Portugal, nº 1521, de 30 de Abril de 1994, reconhecendo o Direito ao uso das Armas Familiares de Costa, Freitas, Guimarães e Vasconcelos e o privilégio de usar Coronel de Nobreza.
É Senhor, de forma hereditária, dos títulos de Marquês e Conde de São Vítor, Conde de Carregais do Lavre e Visconde de Escudero de Campos.
Recebeu prémios, louvores públicos, oficiais e particulares, pela sua competência profissional, dedicação, integridade e lealdade, assim como pela defesa, divulgação e dignificação de vários aspectos da nossa cultura em Portugal e além fronteiras...

É Sócio de Honra de :
- Ateneo Artítico y Cultural de Castellón
- Archicofradía del Apóstol Santiago, de Santiago de Compostela
- Federación Taurina Riojana
- Club Taurino de Logroño
- Federación Taurina Manchega
- Club Taurino de Ciudad Real
- Peña Taurina ‘Tofolet’, de Castellón
- Club Taurino “Victorino Martín”, de Villareal de Los Infantes
- Club Taurino de Valência
- Aposento do Barrete Verde de Alcochete
- Grupo Tauromáquico ‘Sector 1’, de Lisboa
- Napoleonic Society of America
- Troféu ‘Toro de Oro’, ao Mérito Cultural Taurino Internacional, em 1987, do Club Taurino de Castellón
- Placa de Prata do Aposento do Barrete Verde de Alcochete, em 1991
- Placa de Reconhecimento e Louvor do Grupo Tauromáquico ‘Sector 1’, em 1989
- Placa de Louvor da Tertúlia Tauromáquica Sobralense, em 1999

É, ainda, Irmão das :
Irmandade da Santa Cruz e Passos de Nosso Senhor da Graça
Irmandade do Santíssimo da Basílica de Nossa Senhora dos Mártires
Confraria do Apóstolo Santiago Maior da Basílica de Nossa Senhora dos Mártires, de que é Vicepresidente.

Outras actividades :
Como escultor é autor de inúmeros projectos de Medalhística e Falerística, tendo apresentado trabalhos a vários concursos, nomeadamente: Primeira Edição do Prémio de Medalha Contemporânea Dorita de Castel-Branco (2001); Exposição-Concurso de Medalhística do Gabinete de Informação Universitária da Universidade de Coimbra (2002); e Exposição-Concurso do Encontro FIDEM – Federação Internacional da Medalha, em Alcobaça (2002).
Desde 1987, foi Director-Geral de Comunicação, Meios e Imagem do Grupo Mapfre em Portugal; Director-Adjunto de Marketing do Banco de Comércio e Indústria (hoje Banco Santander); Director-Geral do Grupo Open; e até pouco tempo atrás era Conselheiro da Administração e Director de Marketing do Grupo Sousa Pedro, SGPS, S.A. .
É ainda, Fundador e Secretário-Geral da Fundação SOUSA PEDRO e Director Artístico da sua Galeria de Arte.
Foi Consultor de Comunicação Social e Arte para a BRAINSTORM – Total Marketing Services; ÁPICE – Comunicação e Marketing Estratégico; QUATRO LUZES – Consultores Associados; e, THE WALT DISNEY COMPANY, España.

E ainda... É Membro da Academia Nacional de Belas-Artes; da Academia de Letras e Artes (sendo seu Chanceler); da Academia Portuguesa de Ex-Líbris (sendo seu Secretário-Geral); da Sociedade de Geografia de Lisboa (sendo efectivo da Secção de Genealogia e Heráldica e da Secção de História ); do Instituto Português de Heráldica; da Academia Lusitana de Heráldica; da Academia de Heráldica do Algarve; da Associação Portuguesa de Genealogia; do Colégio Brasileiro de Genealogia; do Círculo Eça de Queiroz (onde foi responsável pelas “Tertúlias Literárias”, animadas pelos Académicos António Valdemar, Carlos Antero Ferreira, António Inverno, etc...); da Real Tertúlia D. Miguel I (sendo seu Fundador e Sócio nº 1); da Real Associação de Lisboa; do Grupo Tauromáquico ‘Sector 1’ (de que foi Presidente em 1999/2000); da Associação da Imprensa não diária; da Associação de Jornalistas e Escritores Portugueses de Turismo (de que foi Vice-Presidente da Assembleia Geral); da Casa da Imprensa; da Federation Internationale des Journalistes et Ecrivains du Tourisme; da Associação da Nobreza Histórica de Portugal; da Academia Internacional de Heráldica, de que é Presidente da Delegação de Portugal; e do Instituto de Estudos Histórico-Militares Napoleão I (de que foi Fundador e é Presidente do Directório). É Membro e Coordenador da Secção de Genealogia, Heráldica e Falerística e Membro da Secção de História da Ciência e do Património da Linha de Investigação História, Memória e Sociedade, do CPES – Centro de Pesquisa e Estudos Sociais, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, de Lisboa.

Por tanto... Palavras para quê?


Víctor Escudero, en un acto, a la derecha, en la compañía del Rey de España


Artículo Anterior Artículo Siguiente