A ânsia dos votos

António Costa assistindo a tourada - 9.04.2010.pn

Por Manuel Peralta Godinho e Cunha. -

Veio agora a ser notícia nos jornais portugueses a coligação dos partidos políticos – Socialista e Livre – para as próximas eleições autárquicas, numa aliança a que chamam de “Mais Lisboa” e com a promessa do partido Livre ficar com o pelouro da Cultura, Conhecimento, Ciência e Direitos Humanos na Câmara de Lisboa.

Sendo a tauromaquia considerada como cultura popular, ficará certamente mal defendida em Lisboa pelo partido Livre, que é manifestamente contra a tourada à portuguesa. Isto se, e só se, a tal coligação ficar em maioria depois das próximas eleições autárquicas.

O que é verdade é que uma grande parte da população de Lisboa e do país em geral gosta da festa dos toiros e isso prova-se quando há transmissões televisivas, onde a audiência é enorme.

Gostar de ver a tourada na televisão é uma coisa e ser aficionado é outra, mas na verdade o número dos que gostam de ver e mais os aficionados, é muito superior aos que não gostam e acham que os outros também não devem gostar.

Recordo, uma vez estando em viagem, parei numa localidade para beber café e verifiquei que estava a ser transmitida uma corrida de toiros da Praça do Campo Pequeno. O estabelecimento estava quase cheio e havia quem estivesse a conversar sem grande interesse na televisão, mas a maioria estava interessada e, quando da actuação dos forcados, havia um silêncio e todos, os menos interessados e os mais atentos, não desviavam o olhar do começo ao fim da pega.

Isso quer dizer, que os portugueses em geral gostam de ver o forcado sereno em frente do toiro e sabem que a pega é um invento nacional.

Os que não gostam são poucos, mas manifestam-se contra a tauromaquia e muito, como é o caso do actual presidente da Câmara Municipal de Lisboa, cuja opinião demonstra o desrespeito pela cultura tradicional portuguesa e nem sequer reflecte a maioria dos socialistas portugueses. Recordo, por exemplo, há uns anos ter visto o socialista Dr. João Soares, quando era presidente da Câmara da capital, a assistir em Olivença a uma corrida de“rejoneio”, onde o Grupo de Forcados Amadores de Lisboa foi pegar dois toiros...

Muito depois, também recordo ver, numa barreira do Campo Pequeno o socialista Dr. António Costa, em Abril de 2010, a assistir e a aplaudir o que se passava na arena e aparentemente entusiasmado e satisfeitíssimo a condecorar, o cabo do Grupo de Forcados Amadores de Lisboa, José Luís Gomes.

A ânsia de captar votos é desmedida nos políticos e há os que trocam de opiniões com grande facilidade. Neste caso, são os que ficam obscurecidos na hipotética contagem dos votos dos anti-taurinos, mesmo que não tenham entendido que as praças de toiros se enchem com público que também vota.

Manuel Peralta Godinho e Cunha

J.L.Goenes e A.Costa - 2010.png


Artículo Anterior Artículo Siguiente